Resenha:
Caminhos e Fronteiras
Ângela Birdardi
angela@klepsidra.net
Segundo Ano - História/USP
caminhos.doc - 27KB
(...)"Casa Grande e Senzala, de Gilberto Freire; Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda; Formação do Brasil Contemporâneo de Caio Prado Jr.: São estes os livros que podemos considerar chaves, os que parecem exprimir a mentalidade ligada ao sopro do radicalismo intelectual e análise social que evoluiu depois da Revolução de 1930 e não foi, apesar de tudo, abafado pelo Estado Novo". As palavras de Antônio Cândido caracterizam a geração de 1930, que representou um marco de mudança na historiografia brasileira e que, a partir desse momento, se voltou para a redescoberta e o entendimento que seria o Brasil. É nesse contexto que se insere o legado de Sérgio Buarque de Holanda. 

O livro "Caminhos e fronteiras", de 1957 é uma reunião documental e histórica de outras obras do autor, das quais fazem parte: "Monções" (1945); "Primórdios da expansão paulista no fim do Séc. XVI e começo do XVII" (1948); "Índios e Mamelucos na expansão paulista" (1949). Da leitura de Caminhos e Fronteiras, torna-se visível a inovação metodológica a que se propôs Sérgio Buarque de Holanda ao apresentar um processo de ocupação colonial português em São Paulo totalmente distinto dos moldes tradicionais lusitanos, por ele retratado em "Raízes do Brasil". 


Sérgio Buarque de Holanda

Traçando um paralelo entre Raízes do Brasil e Caminhos e Fronteiras, é notável a dicotomia tão presente em suas obras. Em Raízes observamos uma sociedade litorânea, estática, na qual o meio se adaptará à rotina nobiliárquica portuguesa que transportará para o Nordeste açucareiro um prolongamento estável da Metrópole, desfazendo os ensejos de formar uma mentalidade específica e enraizando, assim, uma mentalidade ibérica no mundo americano. Já em Caminhos e Fronteiras faz-se uma História do Cotidiano baseada nas expedições bandeirantes do Séc. XVII e nas Monções de povoamento do Séc. XVIII, retratando uma sociedade sertaneja instável e moldada pelo meio, bem como as direções e limites tomadas pelas mesmas. Caminhos e Fronteiras descreve a evolução do povo paulista a partir das bandeiras até as monções de povoado, ambos influenciados pelos costumes indígenas, o que garantiu o êxito dos mesmos.

Nesse livro, o autor expõe a proposta de aculturamento às avessas. Em outras palavras, Sérgio sugere o aculturamento do português, e não do "negro" da terra, como eram chamados os índios. Essa atitude de aculturamento do elemento europeu ocasionou-se devido ao meio hostil e instável, que fez com que o português renunciasse a uma vida nobiliárquica e sedentária, assimilando os usos e costumes do gentio para sobreviver e, claro, acarretando um novo estilo de vida. Consequentemente, ao adaptar-se ao meio o português desenraizou-se das tradições metropolitanas e tornou-se um ser muito mais maleável ao meio. Exemplo disso são as próprias expedições bandeirantes: sem condições de sobrevivência, os habitantes da terra lançavam-se às selvas e à serra para caçar o sustento e capturar índios. Tal mobilidade do povo paulista desenraizado, segundo Sérgio, promoveu uma interiorização territorial e o intercâmbio e rompimento das "fronteiras" técnicas e culturais, além de fornecer um produto peculiar responsável pelo pleno desenvolvimento da região. A atitude expressa pelo autor caracteriza o chamado "Mito da sociedade Bandeirante" – exaltação da figura bandeirante e das qualidades da sociedade paulista, fruto da miscigenação cultural que constituiu uma "raça especial".

O bandeirismo, movimento expansionista do Séc. XVII, foi impulsionado pela busca de novas riquezas nos sertões (índios e metais preciosos), devido a ausência de uma lavoura de porte capaz de atrair os interesses metropolitanos. Sérgio B. de Holanda salienta o sucesso de tais expedições de caráter restrito, não organizado e terrestre, atribuído à fusão entre o elemento gentio e o elemento português, a partir do qual nasce um produto: "a raça especial", o paulista. Da mestiçagem biológica formou-se o mameluco e da mestiçagem cultural surgiu uma sociedade peculiar (...) "Sabemos como era manifesta nesses conquistadores a marca do selvagem da raça conquistada. Em seu caso ela não representa uma herança desprezível e que deve ser dissipada ou oculta, não é um tração negativo e que cumpre superar"( p. 21).

A atitude de incorporação de numerosos traços da vida do gentio era extremamente necessária para a sobrevivência de tal civilização, enquanto não fosse possível uma comunidade civil e bem composta, segundo os moldes europeus. Com maestria o autor descreverá o cotidiano dessas expedições, mostrando a contribuição do indígena na caça e coleta, lavoura, folclore, botica e principalmente nas trilhas terrestres, decisivas para a ampliação desse sistema para as monções, quando os bandeirantes se dirigem ao Centro-Sul para a mercancia e a coleta de metais. Aqui perdem importância os caminhos terrestres em detrimento das jangadas. A via preferida agora é fluvial.

Sérgio B. de Holanda esboça a evolução das bandeiras para as monções e levanta a questão sobre a importância da mesma para a civilização brasileira. A marcha à pé foi o modo de locomoção característico da expansão bandeirante. Só a partir do Séc.XVIII iniciaram-se as primeiras cavalgaduras, que apenas no terceiro decênio do mesmo século atingiram uma posição de maior importância, devido ao intercâmbio com os tropeiros do sul. Dessa forma, surge em São Paulo uma nova raça de bandeirante, o tropeiro. O uso das tropas de mulas e animais representou um progresso na rapidez dos negócios e uma significativa etapa na evolução socio-econômica paulista.

O autor não se preocupa em diferenciar o bandeirismo em relação às monções. Na verdade, ele enfatiza o caráter de transitoriedade entre os dois movimentos que se encontram e confundem. Conclui-se, portanto, que as monções constituíram um prolongamento da bandeiras, mas é inevitável não perceber a transformação que se foi operando na mentalidade do sertanista em vários aspectos. Primeiro, as monções foram frotas ou corporações entre São Paulo e o Centro-Sul ligadas por intermédio de "trilhas" fluviais navegadas pelas canoas indígenas. Essas frotas estabeleceram o Princípio Racional de Comércio que envolvia as transações de produtos e minerais. As frotas de comércio foram decisivas para a integração do nosso atual território, bem como para a formação e consolidação da unidade nacional.

A questão do aculturamento é retomada em seguida, com os argumentos utilizados pelo autor para comprovar a importância indígena na formação do paulista. São eles: vocábulos, usos e costumes, além das técnicas agrícolas. A tradição representada pelo milho se confirma e consolida sobre o insucesso da implantação do elemento transitório, o trigo. Contudo, até que ponto a predominância nativa exaltada por Sérgio Buarque pode ser encarado como aculturamento, em outras palavras, houve aculturamento ou negligência do português?

O malogro do trigo no planalto paulista está ligado visivelmente ao desinteresse dos colonos e sertanejos, que não se comprometeram em desenvolver novas técnicas para o plantio, preferindo recorrer aos recursos dos naturais. (...) "O povo da terra não se mostrou animado ante as perspectivas de introdução dessa nova granjearia, receoso de que se convertesse em causa de novas obrigações" (p.176). Fica claro que, devido ao caráter móvel das expedições, era mais fácil e menos despendioso recorrer às técnicas primitivas. O aculturamento, portanto, surge em decorrência do "descaso" dos paulistas em aprimorar as técnicas adventícias, adaptando-as ao solo brasileiro e ao sentimento de conservantismo do indígena.

Assim, a obra Caminhos e fronteiras traça o significado do bandeirismo, elemento fundamental para a ampliação do território português na América, no qual o bandeirante figurou como agente responsável, dando ao Brasil sua configuração geográfica atual, transpondo as fronteiras culturais, institucionais e econômicas distintas entre si.
 

Essa atitude de Sérgio Buarque vincula-se de forma menos radical aos conceitos relacionados ao "Mito da Sociedade Bandeirante", isto é, a mitologia em torno da figura do bandeirante como fundador da grandiosidade do território nacional presente no imaginário brasileiro, amplamente defendida por historiadores como Afonso de Taunay. A construção de tal mito consiste na formulação da superioridade paulista derivada de existência da população branca e mestiça que garantiam o caráter democrático de sua organização social. 

Acredito que o equivoco de Sérgio Buarque nessa obra foi transformar uma sociedade rústica em democrática, quase igualitária, na qual as diferenças entre brancos e índios foram anuladas pela miscigenação que criou a "raça especial" – o paulista. Como bem enfatizou o historiador Boris Fausto, na obra História do Brasil - "não podemos porém confundir essa sociedade rústica como uma sociedade democrática, pois, uma hierarquia da melhores famílias e a dominação sobre os índios prevaleceram".